A Urgência pela descarbonização climática das economias globais e o papel do hidrogênio verde brasileiro

Conteúdo do artigo principal

Isabela Temístocles Gomes

Resumo

Mediante a busca do regime internacional de mudanças climáticas pelo estabelecimento de normas, regulamentações e controle das alterações no clima em uma escala multilateral, a transição energética se coloca como essencial para que impactos humanos no ambiente sejam mitigados. Inserido neste contexto, e apesar de ainda em estágio inicial, o mercado de hidrogênio verde tem sido visto como importante alternativa energética às fontes fósseis, principalmente em setores de difícil descarbonização. O presente artigo se propõe a analisar o protagonismo do hidrogênio verde como alternativa energética sustentável no processo de descarbonização climática dos países, e o status do desenvolvimento deste setor no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
GOMES, Isabela Temístocles. A Urgência pela descarbonização climática das economias globais e o papel do hidrogênio verde brasileiro. ÎANDÉ : Ciências e Humanidades, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 2–15, 2023. DOI: 10.36942/iande.v7i1.661. Disponível em: https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/iande/article/view/661. Acesso em: 16 jul. 2024.
Seção
Artigos

Referências

BALDUINO, Maria Clara de Jesus Maniçoba. O Acordo de Paris e a Mudança Paradigmática de Aplicação do Princípio da Responsabilidade Comum, Porém Diferenciada. Em: Revista Digital Constituição e Garantia de Direitos, vol.13, n.1.

BATISTA Jr., Paulo Nogueira. O Brasil não cabe no quintal de ninguém: bastidores da vida de um economista brasileiro no FMI e nos BRICS e outros textos sobre nacionalismo e nosso complexo de vira-lata. São Paulo: LeYa, 2021.

DIMITROV, Radoslav S. The Paris Agreement on Climate Change: Behind Closed Doors.Global Environmental Politics 16:3, August 2016, doi:10.1162/GLEP_a_00361, 2016.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2021. [s.l.: s.n., s.d.]. Disponível em: <https://www.epe.gov.br/pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/balanco-energetico-nacional-2021>. Acesso em: 14/05/2022.

EUROPEAN COMMISSION. Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of the Regions: A hydrogen strategy for a climate-neutral Europe. [s.l.]: European Commission, 2020. Disponível em: <https://www.fao.org/faolex/results/details/en/c/LEX-FAOC208381/>. Acesso em: 23 abr. 2022.

Eurostat. Where does our energy come from? Disponível em <https://ec.europa.eu/eurostat/cache/infographs/energy/bloc-2a.html#:~:text=In%202019%2C%20the%20energy%20mix,fossil%20fuels%20(both%2013%20%25).>. Acesso em 08/05/2022.

REI, Fernando Cardozo Fernandes; GONÇALVES, Alcindo Fernandes; SOUZA, Luciano Pereira de. Acordo de Paris: Reflexões e Desafios para o Regime Internacional de Mudanças Climáticas. Veredas do Direito – Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, v. 14, n. 29, p. 81–99, 2017.

FURTADO, Celso. A economia latino-americana. Companhia das Letras: São Paulo, 2019.

GESEL (Org.). Observatório de Hidrogênio. Rio de Janeiro: UFRJ, 2022a. Disponível em: <https://gesel.ie.ufrj.br/wp-content/uploads/2022/03/observatorio-H2-05.pdf>.

GESEL (Org.). Observatório de Hidrogênio. Rio de Janeiro: UFRJ, 2022b. Disponível em: <https://gesel.ie.ufrj.br/wp-content/uploads/2022/05/observatorio-H2-06.pdf>.

GUERRERO, Ana Lía. Geopolitics of Global Energy Transformation and Territorial Dynamics of Energy Transition in South America. Ambiente & Sociedade, v. 24, p. e00263, 2021.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422asoc20200026r3vu2021L4DE.

HYDROGEN COUNCIL. The Future of Hydrogen: Seizing today’s opportunities. Junho 2019.

HUBER, Isabelle. Germany’s Hydrogen Industrial Strategy. Center for Strategic and International Studies, 28 de outubro de 2021. Disponível em <https://www.csis.org/analysis/germanys-hydrogen-industrial-strategy>. Acesso em 15/05/2022.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY (IEA). The Future of Hydrogen: Seizing today’s opportunities. Paris: IEA, 2019. Disponível em: <https://www.oecd-ilibrary.org/content/publication/1e0514c4-en>. Acesso em: 4 abr. 2022.

INTERNATIONAL RENEWABLE ENERGY AGENCY (IRENA). A new world: the geopolitics of the energy transformation. [s.l.]: International Renewable Energy Agency, 2019. Disponível em: <https://apo.org.au/node/220211>. Acesso em: 3 ago. 2023.

KAZIMIERSKI, M. A. (2021). Hidrógeno verde en Argentina ¿un nuevo orden extractivo? Revista Huellas, Volumen 25, Nº 2, Instituto de Geografía, EdUNLPam: Santa Rosa. Disponível em: http://cerac.unlpam.edu.ar/index.php/huellas. Acesso em 09/04/2022.

KHALAF, Péricles Inácio. Obtenção de hidrogênio, carbono nanoestruturado e gás de síntese por plasma térmico de argônio a partir da degradação de metano, biogás e água. UFSC: Florianópolis, 2009.

KRASNER, Stephen D. Causas estruturais e consequências dos regimes internacionais: regimes como variáveis intervenientes. Revista de Sociologia e Política, v. 20, p. 93–110, 2012.

LEITE, Alexandre César Cunha; ALVES, Elia Elisa Cia; PICCHI, Livia. A cooperação multilateral climática e a promoção da agenda da transição energética no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 54, 2020. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/made/article/view/70349>. Acesso em: 9 abr. 2022.

LINHAS de transmissão de energia conectam mais de 98% da população brasileira. G1, 17 de setembro de 2021. <https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2021/09/17/linhas-de-transmissao-de-energia-conectam-mais-de-98percent-da-populacao-brasileira.ghtml>. Acesso em 14/05/2022.

GURLIT, WIELAND; GUILLAUMON, JOÃO; AUDE, MARCELO; et al. Hidrogênio verde: uma oportunidade de geração de riqueza com sustentabilidade, para o Brasil e o mundo. [s.l.: s.n.], 2021. Disponível em: <https://www.mckinsey.com/br/our-insights/hidrogenio-verde-uma-oportunidade-de-geracao-de-riqueza-com-sustentabilidade-para-o-brasil-e-o-mundo#/>. Acesso em 16 de abril de 2022.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Programa Nacional do Hidrogênio: Proposta de Diretrizes. Abril, 2021.

MORTIMER, ROGER, Roger. geopolitical uncertainty is a game-changer for energy transition. Disponível em: <https://kraneshares.com/the-russian-invasion-of-ukraine-is-a-game-changer-for-energy-transition/>.

NAKANO, Jane. Japan’s Hydrogen Industrial Strategy. 2021. Disponível em: <https://www.csis.org/analysis/japans-hydrogen-industrial-strategy>. Acesso em: 3 ago. 2023.

PINSENT MASONS. European Commission approves German hydrogen import programme H2Global. 21 de janeiro de 2022. Disponível em <https://www.pinsentmasons.com/out-law/news/wasserstoff-eu-kommission-bewilligt-h2global#:~:text=The%20European%20Commission%20has%20granted,in%20sunny%20non-EU%20countries.>. Acesso em 15/05/2022.

PPOLO BLANCO, Jorge. Colonialidad múltiple en América Latina: Estructuras de dependencia, relatos de subalternidad. Latin American Research Review, v. 53, n. 1, p. 111–125, 2022. DOI: https://doi.org/10.25222/larr.243.

POTTMAIER, D., et. al. The Brazilian Energy Matrix: From a materials science and engineering perspective. Renewable and Sustainable Energy Reviews, vol. 19, p. 678-691, 2013. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032112006776. Acesso em 09/04/2022.

REPowerEU: Ação Europeia Conjunta para uma energia mais acessível, segura e sustentável. Disponível em <https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/HTML/?uri=CELEX:52022DC0108&from=EN>. Acesso em 08/05/2022.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Poder, redes e ideologias no campo do desenvolvimento. Novos estudos. CEBRAP, 2008, n. 80.

ROGELJ, Joeri; DEN ELZEN, Michel; HÖHNE, Niklas; et al. Paris Agreement climate proposals need a boost to keep warming well below 2 °C. Nature, v. 534, n. 7609, p. 631–639, 2016.

Theme Report on Energy Transition: Toward the Achievement of SDG 7 and Net-Zero Emissions. New York: [s.n.], 2021. Disponível em: <https://www.un.org/sites/un2.un.org/files/2021-twg_2-062321.pdf>.

OLSSON, Giovanni; SALLES, Eduardo Baldissera Carvalho. A reconfiguração do poder e a governança global com e sem governo: Um olhar sobre novos atores. Revista de Teorias e Filosofias do Estado, 2015-12-06, Vol.1 (1), p.18.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento includente, Sustentável e Sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SANTOS, Felipe Matias. Transição Energética: Enquadramento e Desafios.UFRG: Revista Videre,

Dourados, MS, v.11, n.22, jul./dez. 2019. Disponível em <https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/videre/article/view/11217/5774>. Acesso em 08/05/2022.

SOUZA, Maria Cristina Oliveira; CORAZZA, Rosana Icassatti. Do Protocolo Kyoto ao Acordo de Paris: uma análise das mudanças no regime climático global a partir do estudo da evolução de perfis de emissões de gases de efeito estufa. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v.42, p.52–80, 2017.

WHAT is the Paris Climate Agreement? UNFCCC. Disponível em <https://unfccc.int/process-and-meetings/the-paris-agreement/the-paris-agreement#:~:text=The%20Paris%20Agreement%20is%20a,compared%20to%20pre-industrial%20levels>. Acesso em 16 de abril de 2022.

ONU (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS). Adoção do acordo de Paris. In: [s.l.]: UNFCC, 2015. Disponível em: <https://brasil.un.org/sites/default/files/2020-08/Acordo-de-Paris.pdf>. Acesso em: 8 maio 2022.

VALENCIA-BOTERO, Mónica J.; CARDONA-ALZATE, Carlos A. Análisis del ciclo de vida para la producción de hidrógeno como combustible del futuro. Revista Cubana de Química, v. XXV, n. 2, p. 165–179, 2013.

VEIGA, J. E. Para Entender o Desenvolvimento Sustentável. Editora 34: São Paulo, Brasil, 2015.