As três fontes do direito no Leviatã de Hobbes

Autores

  • Flavio Gabriel Capinzaiki Ottonicar

DOI:

https://doi.org/10.36942/rfim.v2i1.612

Palavras-chave:

Hobbes, Leviatã, Fontes do Direito

Resumo

Na doutrina jurídica, quase sempre está presente a discussão sobre as fontes do direito. O presente artigo pretende identificar e discorrer, com a ajuda de alguns comentadores e principalmente através da análise de diferentes recortes do Leviatã, sobre três dessas fontes na referida obra, que foi publicada por Thomas Hobbes em 1651. A primeira fonte do direito no Leviatã encontra- -se no estado de natureza e está relacionada aos poderes naturais. A segunda diz respeito aos atos voluntários, especialmente o pacto que transfere a quase totalidade dos direitos naturais para o soberano. Finalmente, tem-se o próprio poder soberano que, uma vez instituído, torna-se fonte de todos os direitos civis, em especial aqueles que dizem respeito ao usufruto da propriedade.

Referências

CONSANI, Cristina Foroni. Kelsen leitor de Kant: considerações a respeito da relação entre direito e moral e seus reflexos na política. Princípios, Revista de Filosofia, Natal, 2016. Disponível em https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/9823. Acesso em 07.12.2021.

DUTRA. Delamar José Volpato. Direito natural (jus naturale) em Hobbes. Analytica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 61-81, 2016. Disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/analytica/article/view/11103. Acesso em 07.12.2021.

FREUD, Sigmund. O Mal-Estar na Civilização, Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise e outros textos (1930-1936). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de uma República Eclesiástica e Civil. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz N. da Silva. 4°ed. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

HOBBES, Thomas. Leviathan. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

JAUME, Lucien. Carl Schmitt, Interprète de Hobbes: Une Lecture Frelatée. Revue Française de Science Politique, vol. 53, no. 4, 2003.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Trad. João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LOCKE, John. Carta Sobre a Tolerância. Tradução de Fabio Fortes (et.al). Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

MACEDO JÚNIOR, Ronaldo Porto. O decisionismo jurídico de Carl Schmitt. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 32, 1994, p. 201-2015. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0102-64451994000100011. Acesso em 15.08.2022.

MARUYAMA, Natalia. Liberdade, Lei Natural e Direito Natural em Hobbes: Limiar do Direito e da Política na Modernidade. Trans/Form/Ação, São Paulo, v.32, n.2, 2009, p.45-62. Disponível em https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1006. Acesso em 09.12.2021.

OSTRENSKY, Eunice. Soberania e representação: Hobbes, parlamentaristas e levellers. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 80, 2010, p. 151-179. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000200007. Acesso em 12.08.2022.

SCHMITT, Carl. Sobre os três tipos de pensamento jurídico. In: MACEDO JR, Ronaldo Porto. Carl Schmitt e a fundamentação do direito. Tradução de Peter Naumann. São Paulo: Max Limonad, 2001.

SCHMITT, Carl. O Leviatã na teoria do Estado de Thomas Hobbes: sentido e fracasso de um símbolo político. In: GALVÃO JR, João Carlos. C. Leviathan cibernético: da quebra das máquinas ao Leviatã cibernético. Rio de Janeiro: NPL, 2008.

STEINBERGER, Peter James. Hobbesian Resistance. American Journal of Political Science, v.46, n.4, (October) 2002, pp. 856-865.

ZARKA. Yves-Charles. Carl Schmitt ou a tripla traição a Hobbes: Uma História Nazista da Filosofia Política? Tradução de José Emílio M. Ommati. Revista Eletrônica do Curso de Direito - PUC Minas, Serro, 2010. Disponível em http://seer.pucminas.br/index.php/DireitoSerro/article/view/1124. Acesso em 09.12.2021.

Publicado

2022-10-21

Como Citar

GABRIEL CAPINZAIKI OTTONICAR, F. . As três fontes do direito no Leviatã de Hobbes. Revista de Filosofia Instauratio Magna, v. 2, n. 1, p. 44-78, 21 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos