Diálogos Socioambientais na Macrometrópole Paulista https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais <p>A publicação é uma produção do Projeto Temático FAPESP 2015/03804-9 “Governança Ambiental da Macrometropole Paulista face à Variabilidade Climática”, parte do Programa FAPESP Mudanças Climáticas Globais, coordenado pelo professor Pedro Roberto Jacobi (IEA/IEE/USP), sediado no Instituto de Energia e Ambiente (IEE), e que reune docentes de diversas unidades da Universidade de São Paulo (IEE, IO, FSP, FEA, IAG, EACH, ECA, IEA), do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e dos programas de Pós-Graduação em Planejamento e Gestão do Território (PGT) e de Políticas Públicas (PGPP) da Universidade Federal do ABC (UFABC).</p> <p>O objetivo é ser uma revista trimestral de divulgação científica interdisciplinar, com temas de interesse do projeto temático reunindo texto de pesquisadores do projeto e convidados, de acordo com a temática escolhida em cada número. São artigos curtos, de cerca de três páginas, preferencialmente ilustrados e com linguagem acessível a um público mais geral. A escolha temática é sugerida pela coordenação do projeto, formada por professores da USP e da UFABC, e deliberada pelo Conselho Editorial. A partir daí, um dos professores do projeto é convidado a participar como editor especial do número e, em conjunto com os editores, define temas e convites. Também em conjunto com os editores, analisa o material recebido e sugere alterações e ajustes aos autores<br />participantes.</p> Projeto Temático FAPESP 2015/03804-9 pt-BR Diálogos Socioambientais na Macrometrópole Paulista 2596-2183 Adaptação às mudanças climáticas sob o neoliberalismo: que lugar para a Justiça Climática? https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/554 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;O engajamento frente à emergência climática deve ser uma ação coletiva, fortalecida pelos movimentos de Justiça Ambiental e Climática, tanto quanto pelas políticas públicas e planos para o enfrentamento das consequências socioambientais do Antropoceno. Apontar as falhas no sistema econômico e político é uma medida urgente para viabilizar saídas da atual crise que superem narrativas e intervenções neoliberais e individualistas que se expressam territorialmente. Assim, os instrumentos de planejamento e gestão nas cidades poderão ser construídos mais democraticamente, a fim de garantir que os direitos socioambientais sejam igualmente distribuídos. &quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">O engajamento frente à emergência climática deve ser uma ação coletiva, fortalecida pelos movimentos de Justiça Ambiental e Climática, tanto quanto pelas políticas públicas e planos para o enfrentamento das consequências socioambientais do Antropoceno. Apontar as falhas no sistema econômico e político é uma medida urgente para viabilizar saídas da atual crise que superem narrativas e intervenções neoliberais e individualistas que se expressam territorialmente. Assim, os instrumentos de planejamento e gestão nas cidades poderão ser construídos mais democraticamente, a fim de garantir que os direitos socioambientais sejam igualmente distribuídos. </span></p> Gabriel Pires de Araújo Letícia Stevanato Rodrigues Beatriz Duarte Dunder Ana Lia Leonel Rayssa Saidel Cortez Bruno Avellar Alves de Lima Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 28 31 A abordagem climática no âmbito do Zoneamento Ecológico-Econômico do estado de São Paulo (ZEE-SP) https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/550 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;O objetivo do presente artigo foi descrever sucintamente a situação do Zoneamento Ecológico-Econômico no estado de São Paulo (ZEE-SP), com destaque à sua relação com a questão do clima e sua possível contribuição para o enfrentamento dos impactos das mudanças climáticas. Concluiu-se que, como instrumento da Política Estadual de Mudanças Climáticas, o processo de elaboração do ZEE-SP reforça a importância da temática climática na gestão territorial, ao pautar a resiliência às mudanças climáticas como uma de suas diretrizes estratégicas e ao considerar projeções climáticas em sua construção. &quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">O objetivo do presente artigo foi descrever sucintamente a situação do Zoneamento Ecológico-Econômico no estado de São Paulo (ZEE-SP), com destaque à sua relação com a questão do clima e sua possível contribuição para o enfrentamento dos impactos das mudanças climáticas. Concluiu-se que, como instrumento da Política Estadual de Mudanças Climáticas, o processo de elaboração do ZEE-SP reforça a importância da temática climática na gestão territorial, ao pautar a resiliência às mudanças climáticas como uma de suas diretrizes estratégicas e ao considerar projeções climáticas em sua construção. </span></p> Lucia Sousa e Silva Natália Micossi da Cruz Nádia Gilma Beserra de Lima Gil Scatena Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-17 2021-09-17 4 11 09 11 Sobrevivendo ao Capitaloceno: o caso da comunidade caiçara da Enseada da Baleia, Cananéia/SP https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/555 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;A realocação da comunidade caiçara da Enseada da Baleia, a partir de 2017, foi resultado de uma articulação de fatores que demandam uma análise interdisciplinar. Para refletir sobre as pressões vivenciadas nesse estudo de caso, analisou-se depoimentos de moradores, a partir do conceito de Capitaloceno. Como resultados, tem-se a soma de fatores que provocaram a erosão costeira e que só puderam evitar seu desaparecimento, pela proposta de organização local que contrapõe modelos neoliberais de desenvolvimento. &quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">A realocação da comunidade caiçara da Enseada da Baleia, a partir de 2017, foi resultado de uma articulação de fatores que demandam uma análise interdisciplinar. Para refletir sobre as pressões vivenciadas nesse estudo de caso, analisou-se depoimentos de moradores, a partir do conceito de Capitaloceno. Como resultados, tem-se a soma de fatores que provocaram a erosão costeira e que só puderam evitar seu desaparecimento, pela proposta de organização local que contrapõe modelos neoliberais de desenvolvimento. </span></p> Juliana Greco Yamaoka Tatiana Mendonça Cardoso Giovanna Gini Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 32 35 Projeções de Uso e Cobertura da Terra na Macrometrópole Paulista https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/556 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;Neste trabalho avaliamos as mudanças de uso e cobertura da terra até 2050 na Macrometrópole Paulista (MMP). As projeções foram geradas com um modelo probabilístico que une as taxas de alteração do passado a diferentes forçantes externas da superfície. Observamos que a presença de áreas protegidas na MMP foi importante para projetar pouco desmatamento da vegetação nativa. No entanto, a expansão da Infraestrutura Urbana foi a maior alteração projetada, destacando a importância do planejamento territorial, especialmente devido à ocupação de áreas de risco. &quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">Neste trabalho avaliamos as mudanças de uso e cobertura da terra até 2050 na Macrometrópole Paulista (MMP). As projeções foram geradas com um modelo probabilístico que une as taxas de alteração do passado a diferentes forçantes externas da superfície. Observamos que a presença de áreas protegidas na MMP foi importante para projetar pouco desmatamento da vegetação nativa. No entanto, a expansão da Infraestrutura Urbana foi a maior alteração projetada, destacando a importância do planejamento territorial, especialmente devido à ocupação de áreas de risco. </span></p> Carolyne Bueno Machado Edmilson Dias de Freitas Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 36 39 Extremos climáticos no litoral paulista: praticas de adaptação https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/557 Celia Regina de Gouveia Souza Pedro Henrique Campello Torres Thamiris Luisa de Oliveira Brandão Campos Edmilson Dias de Freitas Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-15 2021-09-15 4 11 40 47 O poder da sinergia no combate às mudanças climáticas https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/553 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;O enfrentamento das mudanças climáticas está fortemente centrado na governança nos países. Para uma governança eficiente, ações globais devem se encontrar com ações locais – o que ocorre principalmente nas cidades - e ambas devem se harmonizar. Porém, ao mesmo tempo em que o clima do planeta muda devido ao aumento dos gases do efeito estufa e da temperatura, um descompasso entre governo e sociedade limita drasticamente o potencial de resposta que temos para encontrar e implementar soluções. Neste artigo proponho que a harmonização das sinergias horizontal e vertical na sociedade poderiam aumentar exponencialmente a capacidade de resposta às mudanças climáticas. Esta solução passa necessariamente pelo uso da democracia embasada no conhecimento científico.&quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">O enfrentamento das mudanças climáticas está fortemente centrado na governança nos países. Para uma governança eficiente, ações globais devem se encontrar com ações locais – o que ocorre principalmente nas cidades - e ambas devem se harmonizar. Porém, ao mesmo tempo em que o clima do planeta muda devido ao aumento dos gases do efeito estufa e da temperatura, um descompasso entre governo e sociedade limita drasticamente o potencial de resposta que temos para encontrar e implementar soluções. Neste artigo proponho que a harmonização das sinergias horizontal e vertical na sociedade poderiam aumentar exponencialmente a capacidade de resposta às mudanças climáticas. Esta solução passa necessariamente pelo uso da democracia embasada no conhecimento científico.</span></p> Marcos Buckeridge Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 24 27 Avanços na conscientização da sociedade sobre conceitos fundamentais relacionados ao tempo, clima e Mudanças Climáticas https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/551 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;Boa parte da população brasileira provavelmente já ouviu e leu um pouco sobre \&quot;aquecimento global” nos principais veículos de comunicação do dia a dia. Seja em reportagens na TV, ou em manchetes em destaque nos principais websites de notícias, é inegável que o tópico \&quot;Mudanças Climáticas” tem sido discutido com maior frequência a cada ano. Apesar desta crescente tendência de popularização do tema, será que o público em geral realmente compreende o significado de termos como “efeito estufa”, e as implicações envolvidas para o futuro de nosso planeta? Pensando nisso, pesquisadores da Universidade de São Paulo (e autores deste artigo) trabalharam na elaboração de conteúdos educativos para a sociedade, com textos em linguagem de fácil entendimento e ilustrações originais que buscam captar o interesse do leitor e estimular o aprendizado. Todo o conteúdo está disponível de forma gratuita em www.climaesociedade.iag.usp.br desde abril de 2021, com o principal objetivo de contribuir para incorporar a temática das Mudanças Climáticas no vocabulário e compreendimento da sociedade. Neste artigo, os autores descrevem as motivações por trás deste trabalho, e os principais impactos observados desde o lançamento do material desenvolvido.&quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">Boa parte da população brasileira provavelmente já ouviu e leu um pouco sobre "aquecimento global” nos principais veículos de comunicação do dia a dia. Seja em reportagens na TV, ou em manchetes em destaque nos principais websites de notícias, é inegável que o tópico "Mudanças Climáticas” tem sido discutido com maior frequência a cada ano. Apesar desta crescente tendência de popularização do tema, será que o público em geral realmente compreende o significado de termos como “efeito estufa”, e as implicações envolvidas para o futuro de nosso planeta? Pensando nisso, pesquisadores da Universidade de São Paulo (e autores deste artigo) trabalharam na elaboração de conteúdos educativos para a sociedade, com textos em linguagem de fácil entendimento e ilustrações originais que buscam captar o interesse do leitor e estimular o aprendizado. Todo o conteúdo está disponível de forma gratuita em www.climaesociedade.iag.usp.br desde abril de 2021, com o principal objetivo de contribuir para incorporar a temática das Mudanças Climáticas no vocabulário e compreendimento da sociedade. Neste artigo, os autores descrevem as motivações por trás deste trabalho, e os principais impactos observados desde o lançamento do material desenvolvido.</span></p> Tercio Ambrizzi Amanda Rehbein Lívia Márcia Mosso Dutra Natália Machado Crespo Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-15 2021-09-15 4 11 13 19 Novos temas emergentes em mudanças climáticas https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/552 <p><span data-sheets-value="{&quot;1&quot;:2,&quot;2&quot;:&quot;As ameaças a todas as formas de vida, em decorrência da emergência climática, demandam ações urgentes. Nos últimos anos, a literatura mostra que a educação pode colaborar no enfrentamento das mudanças climáticas, por meio do desenvolvimento de atividades transdisciplinares, conectadas aos principais acordos climáticos e agendas socioambientais, como apresentado na publicação \&quot;Temas atuais em Mudanças Climáticas\&quot; (2015). Tem-se notado o surgimento de novas temáticas, também urgentes, associadas à emergência climática e que precisam ainda ser melhor compreendidas e abordadas, de formas mais integradas e que mobilizem para a ação climática.&quot;}" data-sheets-userformat="{&quot;2&quot;:513,&quot;3&quot;:{&quot;1&quot;:0},&quot;12&quot;:0}">As ameaças a todas as formas de vida, em decorrência da emergência climática, demandam ações urgentes. Nos últimos anos, a literatura mostra que a educação pode colaborar no enfrentamento das mudanças climáticas, por meio do desenvolvimento de atividades transdisciplinares, conectadas aos principais acordos climáticos e agendas socioambientais, como apresentado na publicação "Temas atuais em Mudanças Climáticas" (2015). Tem-se notado o surgimento de novas temáticas, também urgentes, associadas à emergência climática e que precisam ainda ser melhor compreendidas e abordadas, de formas mais integradas e que mobilizem para a ação climática.</span></p> Edson Grandisoli Renata Ferraz de Toledo Sonia Coutinho Pedro Roberto Jacobi Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 20 23 Charge Emergência Climática https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/558 João Reis Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 48 48 Eventos Climáticos Extremos: Conscientização, Impactos e Atores Sociais https://periodicos.ufabc.edu.br/index.php/dialogossocioambientais/article/view/549 Pedro Henrique Campello Torres Thamiris Luisa de Oliveira Brandão Campos Edmilson Dias de Freitas Copyright (c) 2021 https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-09-06 2021-09-06 4 11 06 08